A contabilidade de um sonho

Ironman BA

No começo, o que me assustava não era a dimensão da prova, os 1.900m de natação, os 90K do ciclismo ou ainda, os 21K de corrida no final. Isoladamente, eu já cumpria boa parte das métricas em questão. O que me assustava era a preparação, o caminho, a jornada a ser trilhada até a conquista da nova meta; até a obtenção do direito de me considerar um triatleta de longa distância. Sob qual custo físico e emocional eu incorreria? Bem, todo atleta amador sabe onde encontrar a resposta: na construção e execução do esquema de treino.

Ora nomeado como plano de voo, ora como plano de ação, partitura, cardápio ou simplesmente planilha de treino, é ela que delimitaria o meu tempo disponível para quaisquer outras atividades que apreço. Era ela que determinaria a extensão do meu sofrimento físico e emocional ao longo de 16 longas semanas de preparação específica. Ela, uma vez concebida e discutida com o técnico, materializaria a estratégia para o alcance do fim almejado. Simples assim!

Meu compromisso, ciente da pouca probabilidade de executar 100% dos exercícios preconizados, era tirar nota 7.5, ou seja, performar pelo menos 75% dos treinos de um modo geral (entre natação, ciclismo e corrida, além do treinamento funcional). Pois bem, passei na risca, sem segunda época, com média 7.8, ou seja, com 78% da planilha devidamente cumprida. Na minha estratégia, 100% dos treinos duros dos finais de semana foram performados (com a maior disponibilidade de tempo mas em detrimento da família, infelizmente), contra 68% dos treinos semanais.

Na contabilidade do meu sonho, foram nadados 70 quilômetros, pedalados outros 1.952 e corridos mais de 451, sempre me equilibrando entre todos os demais papéis. Não fora incomum acordar às 05:00 da manhã para executar um treino, abdicar de vários almoços em casa para nadar e estudar enquanto pedalava no rolo à noite. Foram vários finais de semana onde o tempo com a família fora diminuto perto do tempo solitário ou com os amigos do esporte.

Me perguntam o por quê de treinar tanto, de acumular tantos quilômetros ao longo de treinos de força, resistência e velocidade. Minha convicção é que ao preparar o corpo e a mente para o grande desafio, para a sua meta, você executará a tarefa no dia com o menor esforço possível ou com o menor sofrimento possível.

Mas valeu, pois sinto-me preparado sob todos os aspectos, mas ciente de que não domino as intempéries climáticas e que sob o sol escaldante, como foram vários treinos em solo brasileiro, todo cuidado será pouco para concluir a prova com segurança e bem (ou ao menos relativamente bem).

Muito embora o recorde pessoal já esteja assegurado pelo simples cruzar da linha de chegada (nada garantido, por óbvio), eu darei o meu melhor, em especial para tentar concluir a prova o mais próximo possível das 5 horas, cerca de 25 minutos abaixo da média do meu age group em 2016. Com o Time Girolla ao meu lado e na torcida, inspiração e motivação não faltarão. Vamos à luta!

Você pode gostar...

2 Resultados

  1. Anderson Santana disse:

    Matéria show girolla, nota dez, vc vai fazer bonito tenho certeza, vc está focado e muito bem treinado. Aproveite cada momento, sinta o clima dá galera, e vai com tudo!!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *